Home | Introduction | What's Included | Products | More Info | FAQ's

ESTANTE DE AÇO 6 PRATELEIRAS | Pandin sapatas de madeira

ESTANTE DE AÇO 6 PRATELEIRAS

Mod./Dimensões:

 

EP6 A / 2000mm x 920mm x 300mm

EP6 AR / 2000mm x 920mm x 300mm

EP6 BR / 2000mm x 920mm x 400mm

EDP6 AE / 2000mm x 920mm x 300mm

EDP6 BE / 2000mm x 920mm x 400mm

EDP6 AE RF / 2000mm x 920mm x 300mm

EDP6 BE RF / 2000mm x 920mm x 400mm

EDP6 AE RL / 2000mm x 920mm x 300mm

EDP6 BE RL / 2000mm x 920mm x 400mm

Compartilhar no:

google
pinterest

Compartilhar no:

google
pinterest
  • Descrição
  • produto Inquérito

Descrição do Produto

EP6 A

Estrutura chapas #20 e #26 (0,90mm e 0,45mm)

6 prateleiras de 920mm x 300mm

4 colunas de 2000mm de altura

Capacidade por prateleira 20kg (bem distribuídos)

Opcionais: reforços em X laterais e fundo / chapas laterais e fundo / gavetas

 

Itens de Série:

4 sapatas plásticas

48 parafusos com porcas sextavadas zincadas

Pintura eletrostática a pó (tinta híbrida) em todas as cores

 

Obs:

A montagem das prateleir jjghkvuh. terras de madeiraas deverá iniciar sempre no terceiro furo livre de baixo para cima.

 

EP6 AR

Estrutura chapas #20 e #26 (0,90mm e 0,45mm)

6 prateleiras de 920mm x 300mm, com reforço ômega fino

4 colunas 2000mm de altura

Capacidade por prateleira 25kg (bem distribuídos)

Opcionais: reforços em X laterais e fundo / chapas laterais e fundo / gavetas

 

Itens de Série:

4 sapatas plásticas

48 parafusos com porcas sextavadas zincadas

Pintura eletrostática a pó (tinta híbrida) em todas as cores

 

Obs:

A montagem das prateleiras deverá iniciar sempre no terceiro furo livre de baixo para cima.

 

EP6 BR

Estrutura chapas #20 e #26 (0,90mm e 0,45mm)

6 prateleiras de 920mm x 400mm, com reforço ômega fino

4 colunas de 2000 mm de altura

Capacidade por prateleira 25kg (bem distribuídos)

Opcionais: Reforços em X laterais e fundo / chapas laterais e fundo / gavetas

 

Itens de Série:

4 sapatas plásticas

48 parafusos com porcas sextavadas zincadas

Pintura eletrostática a pó (tinta híbrida) em todas as cores

 

Obs:

A montagem das prateleiras deverá iniciar sempre no terceiro furo livre de baixo para cima.

 

EDP6 AE

Estrutura chapas #18 e #24 (1,20mm e 0,60mm)

6 prateleiras de 920mm x 300 mm, com furação para colocar os divisores como opcional

4 colunas de 2000mm de altura

Capacidade por prateleira 40kg (bem distribuídos)

Opcionais: reforços em X laterais e fundo / chapas laterais e fundo / gavetas

 

Itens de Série:

4 sapatas plásticas

48 parafusos com porcas sextavadas zincadas

Pintura eletrostática a pó (tinta híbrida) em todas as cores

 

Obs:

A montagem das prateleiras deverá iniciar sempre no terceiro furo livre de baixo para cima.

 

EDP6 BE

Estrutura chapas #18 e #24 (1,20mm e 0,60mm)

6 prateleiras de 920mm x 400 mm, com furação para colocar os divisores como opcional

4 colunas de 2000mm de altura

Capacidade por prateleira 40kg (bem distribuídos)

Opcionais: reforços em X laterais e fundo / chapas laterais e fundo / gavetas

 

Itens de Série:

4 sapatas plásticas

48 parafusos com porcas sextavadas zincadas

Pintura eletrostática a pó (tinta híbrida) em todas as cores

 

Obs:

A montagem das prateleiras deverá iniciar sempre no terceiro furo livre de baixo para cima.

 

EDP6 AE RF

Estrutura chapas #18 e #24 (1,20mm e 0,60mm)

6 prateleiras de (920mm x 300mm, com reforço ômega fino e furação para colocar os divisores como opcional

4 colunas de 2000mm de altura

Capacidade por prateleira 40kg (bem distribuídos)

Opcionais: reforços em X laterais e fundo / chapas laterais e fundo / gavetas

 

Itens de Série:

4 sapatas plásticas

48 parafusos com porcas sextavadas zincadas

Pintura eletrostática a pó (tinta híbrida) em todas as cores

 

Obs:

A montagem das prateleiras deverá iniciar sempre no terceiro furo livre de baixo para cima.

 

EDP6 BE RF

Estrutura chapas #18 e #24 (1,20mm e 0,60mm)

6 prateleiras de 920mm x 400mm, com reforço ômega fino e furação para colocar os divisores como opcional

4 colunas de 2000mm de altura

Capacidade por prateleira 40kg (bem distribuídos)

Opcionais: reforços em X laterais e fundo / chapas laterais e fundo / gavetas

 

Itens de Série:

4 sapatas plásticas

48 parafusos com porcas sextavadas zincadas

Pintura eletrostática a pó (tinta híbrida) em todas as cores

 

Obs:

A montagem das prateleiras deverá iniciar sempre no terceiro furo livre de baixo para cima.

 

EDP6 AE RL

Estrutura chapas #18 e #24 (1,20mm e 0,60mm)

6 prateleiras de 920mm x 300mm, com reforço ômega largo e furação para colocar os divisores como opcional

4 colunas de 2000mm de altura

Capacidade por prateleira 50kg (bem distribuídos)

Opcionais: reforços em X laterais e fundo / chapas laterais e fundo / gavetas

 

Itens de Série:

4 sapatas plásticas

48 parafusos com porcas sextavadas zincadas

Pintura eletrostática a pó (tinta híbrida) em todas as cores

 

Obs:

A montagem das prateleiras deverá iniciar sempre no terceiro furo livre de baixo para cima.

 

EDP6 BE RL

Estrutura chapas #18 e #24 (1,20mm e 0,60mm)

6 prateleiras de 920mm x 400mm, com reforço ômega largo e furação para colocar os divisores como opcional

4 colunas de 2000mm de altura

Capacidade por prateleira 50kg (bem distribuídos)

Opcionais: reforços em X laterais e fundo / chapas laterais e fundo / gavetas

 

Itens de Série:

4 sapatas plásticas

48 parafusos com porcas sextavadas zincadas

Pintura eletrostática a pó (tinta híbrida) em todas as cores

 

Obs:

A montagem das prateleiras deverá iniciar sempre no terceiro furo livre de baixo para cima.

 

Instruções de Limpeza:

Passar um pano levemente umedecido com água ou detergente neutro e em seguida um pano seco para as limpezas do dia a dia.

Nunca use produtos abrasivos, como saponáceos, esponja de aço, escova com cerdas duras, entre outros.

 

Instruções de Conservação:

Evitar expor/utilizar os produtos em ambientes com alta umidade, exemplo: câmaras frias, saunas e áreas molhadas.

Não armazenar produtos corrosivos, exemplo: ácido, cloro etc.


sapatas de madeira

roze timberland laarzen
Botte de randonnée timberland
timberland arbetskängor för män
cores das botas Timberland
hvor å kjøpe timberland støvler

Home

Bem vindo
Entre | Cadastre-se

Avalie, pergunte ou responda perguntas em nosso site!

Cadastre-se

Complemente seu perfil com mais informações sobre você.

Pergunta:


Como fazer um pergolado de madeira?

Em | Publicada em: Jardinagem
Tags: pergolado , área de lazer ,

Quero fazer um pergolado na área de lazer, mas tenho muitas dúvidas. A madeira é a melhor opção?

Publicada por:

Joana Vasconcelos
Membro desde: mar/2013
Rio de Janeiro - RJ

1 Resposta
Resposta enviada em:
Catarina Andrade
Serra - ES

Joana, não necessariamente. Existem pergolados para todos os gostos: você pode utilizar bambu, ferro, concreto... Na verdade, tudo vai depender do seu gosto e de quanto pretende gastar para executar essa tarefa. Independente do material escolhido, esta estrutura deve estar sempre presa a brocas e sapatas de concreto, de forma a tornar o pergolado estável e minimizar não haver risco de queda.

Não existe uma área específica para se construir um pergolado, mas para um maior conforto, recomenda-se uma área mínima de 6,00m², com altura de 2,30m. Como sua construção é feita na área externa, sua cobertura pode ser de bambu, palha, ripas de madeira ou aço, ou ainda plantas trepadeiras – estas forma uma cobertura natural; faz uma sombra refrescante e dá um charme todo especial ao ambiente.

Caso queira um pergolado de madeira, aconselho que utilize o ipê ou itaúba – madeiras nobres, muito utilizadas como elementos estruturais (vigas e pilares) na construção civil. Para tanto, faça uma base de concreto (sapata), para que a madeira não fique em contato com o solo. Madeiras tipo pinus e eucalipto, também podem ser utilizados, desde que tratadas anteriormente. Para este tipo de estrutura, uma cobertura de bambu, dá personalidade ao espaço.

Espero ter ajudado! Até!

Faça seu cadastro e participe!

Tire suas dúvidas, compartilhe e avalie o conteúdo postado por outros usuários.

Clique aqui e faça seu login



COMPENSADOS E MDF

Painel compensado é composto por três ou mais lâminas torneadas, unidas uma perpendicularmente  à outra com adesivo ou cola, sempre em número ímpar(número par tende a empenar a chapa), de tal forma que algumas propriedades físicas e mecânicas se tornem superiores ás de madeira original.

Há compensados tanto para uso interno, com colagem à base de resina ureia-formol, utilizados pela indústria moveleira, quanto externo, com colagem à base de fenol-formol, utilizados normalmente na construção civil. Chapas finas de compensado apresentam algumas vantagens sobre as demais madeiras industrializadas, pois são maleáveis e podem se curvar. Na industria moveleira são empregados principalmente na produção de fundos de gavetas, armários, roupeiros, tampos de mesa, laterais de móveis, braços de sofá, fundo de armários, prateleiras, pisos e portas residenciais.

Os painéis compensados apresentaram um acentuado declínio em seu consumo, no ano 2000, provocado pela perda de mercado para o MDF e para o aglomerado. O crescimento da produção foi absorvido pelas exportações, uma vez que o produto brasileiro tem expressiva participação no mercado mundial.

Tipos de Compensados

Compensado Laminado Folheado
Chapa prensada com lâminas de madeira tropicais, possui acabamento folheado nos padrões mogno, cerejeira, marfim, frejó, imbuia, cedro, entre outras. Indicado para confecção de móveis de boa qualidade.

Compensado Laminado
Chapa prensada com lâminas de Virola ou Virolinha, Indicado para a produção de prateleiras e divisória de móveis. Não possui acabamento final.

Compensado Multisarrafeado
Formado por pequenos sarrafos de madeira. Indicado para produção de portas e móveis. Não possui acabamento final.

Compensado Multisarrafeado folheado
Formada por pequenos sarrafos de madeira mistas. Possui vários tipos de acabamentos, como mogno, cerejeira, marfim, sucupira, cedro, entre outras.

Compensado Painel
Capa de madeira com acabamento folheado em diferentes tipos de lâminas.

Compensado Porta Leu
Compensado com acabamento de folhas de madeira. não requer acabamento especial, apenas verniz.

Compensado Sarrafeado e Sarrafeado Folheado
Formado por sarrafos de madeira mista

Compensado Sarrafeado Painel
Formado por sarrafos de madeiras tropicais.

MDF(Medium Density Fiberboard = Fibra de Média Densidade)
Conhecido mundialmente e ecologicamente correto, o MDF é um painel de fibras de madeira sendo sua composição homogênea tanto na superfície quanto no seu interior. Graças à sua resistência e estabilidade, é possível obter excelentes acabamentos em móveis, artesanatos, molduras, rodapés, colunas, balaústres, divisórias, forros. Pode ser pintado ou laqueado, cortado, lixado, entalhado, perfurado, colado, pregado, parafusado, encaixado, moldurado, proporcionando, sempre, excelente acabamento em equipamentos industriais, bem como em ferramentas convencionais para madeira.

MDP(Medium Densyt Particleboard = Painel de Partículas de Média Densidade)
Painel de madeira industrializado, assim como o aglomerado, o MDF e o OSB; especialmente indicado para a produção de móveis residenciais e comerciais de linhas retas, formas orgânicas, que não exijam usinagens em baixo relevo, entalhes ou cantos arredondados. É um produto ecologicamente correto que não utiliza madeiras da Amazônia ou da Mata Atlântica em sua fabricação.

OSB(Oriented Strand Board)
Material de alta resistência e tolerância às intempéries; é um painel estrutural de tiras de madeira orientadas perpendicularmente, em várias camadas, o que aumenta sua resistência e rigidez. Essas tiras são unidas com resinas aplicadas sob altas temperaturas e pressão.


HISTÓRIA DO COMPENSADO NO BRASIL

Durante muitos anos o compensado foi o painel de madeira mais importante produzido e consumido no Brasil. Com instalação inicial no Sul do país por volta dos anos 40, a indústria deste setor baseava-se nas florestas naturais de Araucária, embora tenha atingido níveis significativos de produção apenas na década de 1970.
Os compensados surgiram em escala industrial após o desenvolvimento de um sistema capaz de laminar, ou folhear a madeira. Existem dois métodos para a produção de lâminas: o torneamento e o faqueamento.
O painel compensado é composto por três ou mais lâminas torneadas, unidas uma perpendicularmente à outra com adesivo ou cola, sempre em número ímpar(número par tende a empenar a chapa), de tal forma que algumas propriedades físicas e mecânicas se tornem superiores às de madeira original.
Estima-se que 60% do compensado nacional seja produzido com madeira tropical, enquanto que os outros 40% seja produzida com madeira de florestas plantadas nas regiões Sul e Sudeste (particularmente o Pinus), 
Os painéis têm espessura variando entre 3 mm x 35 mm ou mais, as dimensões mais comuns são: 2,10 m x 1,60 m; 2,20 m x 1,10 m e 2,44 m x 1,22 m.

 Definição do Aglomerado
Aglomerado: chapa de madeira, com miolo composto de resíduos de madeira como pó e serragem, resina e cola que após passar por processo de prensa se transforma em painel de madeira. Não possui acabamento, portanto, pode receber qualquer tipo de revestimento.
Utilizado na fabricação de móveis montados com cavilhas e cola. 
Disponível no tamanho padrão de 2,75 m x 1,83 m e espessuras que variam de 0,6 mm a 30 mm.

Informações sobre o aglomerado
Aglomerado Folheado: possui acabamento revestido com lâminas de diversos tipos de madeira, tais como mogno, cerejeira, sucupira, imbuia, pau-marfim, entre outras.

Buchas Plásticas: maneira de fixação nos topos, especialmente desenvolvidas para esse uso.

Colagem: por se tratar de produto derivado da madeira, podem ser utilizados todos os adesivos normalmente empregados na madeira natural: PVA(cola branca), contato(cascola) Cascamite etc.
Mas, cuidado, essa afirmação só é verdadeira no caso do aglomerado, onde a chapa não esteja revestida, isto é, nos topos. Sendo necessário proceder a colagem de algum detalhe na superfície revestida, desgaste o revestimento da chapa para que o adesivo possa atingir o substrato. Lembre-se, porém que pingos ou escorrimentos de cola na superfície da chapa devem der removidos imediatamente.
    Com um pano limpo umedecido em água, no caso do PVA e Ureiaformaldeído;
    Com pano umedecido em gasolina, aguarrás ou outro removedor, no caso de cola de contato.
Esse procedimento é necessário para evitar manchas e adesão indesejados entre as peças.

Furação: não existe qualquer restrição ao tipo de equipamento ou broca a ser usada na furação. Assim, desde uma furadeira elétrica manual até uma automática, brocas comuns de aço rápido ou metal duro poderão ser utilizados. Para as chapas revestidas, por se tratar de produtos acabados, é recomendável em certos equipamentos o uso de calços e sapatas de pressão na saída da broca, para evitar lascamentos nas bordas dos furos.

Fixação com Parafusos: utilize parafusos de haste reta, rosca soberba e com maior espaçamento entre filetes, que asseguram a fixação adequada no produto.
Antes de colocar o parafuso, faça uma pré-furação com diâmetro igual ao núcleo do parafuso. Preferencialmente faça fixação nas faces. Quando a fixação é necessária pelos topos, utilize parafuso do tipo estrutural(parafusos de maior resistência) cujas características são apropriadas para esse fim. Uma outra maneira de fixação nos topos consiste em se utilizar buchas plásticas especialmente desenvolvidas para esse uso.

Fixação com Pregos: evite esse tipo de fixação, principalmente pelos topos da chapa. Havendo necessidade de proceder a fixação com prego pela superfície, utilize os dos tipos com cabeça, quando a aplicação estiver sujeita a esforços dinâmicos.
A utilização de pregos estriados ou resinados oferece melhor resultado. Recomenda-se que o prego seja cravado, sempre que possível, a uma distância mínima de 10 mm da borda da chapa.

Fixação com Cavilhas: pode ser aplicada isoladamente ou em conjunto com outros dispositivos de fixação.
Para peças que necessitam de montagem/desmontagem, cole as cavilhas somente nos topos, deixando as furações das faces das peças para encaixe e desencaixe.

Rendimento do corte: a regulagem dessa velocidade determina a qualidade de acabamento do corte da chapa.

Velocidade e Avanço de Corte: é a velocidade com que o material avança em direção à serra durante o corte. A regulagem dessa velocidade determina a qualidade de acabamento do corte da chapa. Cada dente deve fazer o seu próprio corte por inteiro. O avanço lento demais faz com que o dente, em vez de cortar, deslize sobre a chapa, provocando rapidamente a perda do fio e a queima do material. O avanço rápido demais ocasionará o esforço excessivo do motor e cortes imperfeitos com lascamentos na saída da serra.



MDF (Medium-Density Fiberboard)

MDF é um material derivado da madeira. A tradução para a língua portuguesa é “placa de fibra
de madeira de média densidade”. Material uniforme, plano e denso, não possuindo nós. Empregado
na fabricação de móveis, substituindo a madeira, em exceção para quando é necessária maior
rigidez.




O MDF é formado através da aglutinação de fibras de madeira com resinas sintéticas e outros
aditivos. A madeira é desfibrada, e estes são cozidos no vapor e pressão, se separando
uniformemente. Posteriormente são ligados com resinas e passam por um processo de calor e
prensagem que lhe dá o tamanho desejado.


Foi fabricado pela primeira vez no início dos anos 60 nos Estados Unidos. Em meados da década
de 70, chegou à Europa, quando passou a ser produzido na antiga República Democrática Alemã e,
posteriormente (1977), foi introduzido na Europa Ocidental através da Espanha. No Brasil, a
primeira indústria iniciou sua produção no segundo semestre de 1994
O MDF possui consistência e algumas características mecânicas que se aproximam às da cortiça.
Algumas das suas características são superiores às do aglomerado, caracterizando-se ambos por
possuir boa estabilidade e grande capacidade de absorção de tinta.
A homogeneidade proporcionada pela distribuição uniforme das fibras possibilita ao MDF
acabamento do tipo envernizado, É um material com várias aplicações e substitui com vantagens a
própria madeira em muitas delas.
O uso de formaldeído nas resinas empregadas na confecção de MDF podem causar câncer. Ao
manusear, é necessário ter em mente medidas preventivas.
As chapas de MDF são fabricadas com diferentes características, que variam em função de sua
utilização final.
Chapas resistentes ao fogo;
Chapas resistentes a água;
Chapas fabricadas com maior quantidade de plástico, o que lhes permite aplicações que
requeiram maior resistência à flexão ou a choques.
As espessuras das chapas variam de 3 mm até 60 mm, sendo as mais grossas utilizadas em
elementos estruturais ou decorativos de arquitetura e móveis (pés torneados para mesas, por
exemplo).
O MDF é oferecido ao mercado basicamente com três acabamentos:
Chapas cruas – pode ser realizado o acabamento das peças através de pintura, revestimento com
PVC ou estamparia;


Chapas com revestimento laminado de baixa pressão – produzidas através da pressão de um
laminado (Papel Melamínico disponível nos padrões madeirados e unicolores) sobre o MDF que é
fundida através de pressão e temperatura ao painel de MDF, resultando em uma chapa já préacabada.
Pode-se revestir ambas as faces ou apenas uma, permitindo ao usuário usinar a face não
revestida e acabá-la através de pintura;



Chapas com revestimento finish foil – produzidas por adição de uma película de papel de
fotografia, resultando em um produto já acabado. Essa película pode ser impressa com padrões

madeirados ou em cores. Algumas chapas contêm partículas de sal.



USO DE PARAFUSOS EM MDF E MDP


Utilizam-se parafusos com fenda do tipo "Philips", com haste reta, rosca soberba e com maior espaçamento entre os filetes que asseguram fixação adequadas ao produto. São fabricados numa variedade de materiais. Os mais comuns têm rosca singela, outros rosca dupla, são parafusos resistentes que podem ser apertados com segurança.
Escolha as características do parafuso em função da natureza do trabalho a ser executado.

Tipos de Parafusos
Cabeça flangeada
Cabeça oval
Cabeça de panela
Parafuso cama fendado
Parafuso cama furado
Cabeça de embutir
Cabeça de lentilha
Cabeça de tremoço
Cabeça postiça
Parafuso de segurança


Armazenagem e transporte de placas de MDF e MDP



Descarregamento

Transportar as placas empilhadas, para evitar que se movam e se arrastem umas sobre as outras, sobretudo quando se tratar de produtos revestidos.

No transporte das placas uma a uma, recomenda-se que seja feito por duas pessoas e, se possível, de maneira vertical.

Transporte em carros
Para o transporte de uma quantidade maior de placas, usar um reboque.

Transladar as placas perfeitamente alinhadas para evitar danos na superfície e nos cantos.

Armazenagem
As placas devem ser armazenadas, de maneira horizontal, sobre base firme, nivelada e elevada do chão, por meio de calços.

Se o espaço for reduzido, fazer o empilhamento oblíquo com um ângulo superior a 20º, em relação à vertical.

Evite empilhamento alternado de chapas com diferentes dimensões.

OBS: A superfície deve ser lisa e completamente isolada da umidade.

As placas devem ser mantidas sobre o piso em cima de suportes(pallets ou outros) de igual tamanho, com uma distância de 70 cm entre os calços.

As placas finas (6 a 9 mm) deve-se considerar 60 cm de distância máxima entre os apoios e um painel de 18 mm como suporte da pilha.

Da mesma forma que no transporte, as placas devem estar perfeitamente alinhadas para evitar danos nos cantos.

Se a armazenagem é feita com pilha sobre pilha, é necessário considerar que a localização deve-se encontrar perfeitamente alinhada a vertical dos calços.

Armazene as placas em local coberto, protegido das intempéries e longe das fontes de umidade e de calor intenso.

A utilização de calços entre chapas a cada metro de altura no máximo, permitirá a ventilação do material e consequentemente equilíbrio com o ambiente onde será utilizado.

Em locais muito quente é aconselhável a colocação de uma chapa de descarte sobre a pilha, tanto no armazenamento quanto no deslocamento durante o processamento, para reduzir o efeito do calor que incide na face do material. Esse efeito provoca perdas de umidade maior na face exposta, desequilibrando a chapa e gerando deformações.

O produto não deve ser exposto à ação da água nem em ambiente com umidade excessiva. Esse cuidado evitará alterações nas características dimensionais e físicas da chapa.

Evite estocar o produto em ambientes infestado de cupins, sendo um produto derivado da madeira, poderá ser atacado por eles.

Não colocar as chapas em contato com fontes geradoras de calor como fogões, fornos e aquecedores, ou outros locais onde a temperatura exceda 50ºC, por tempo prolongado.
 Evite a incidência direta ou prolongada da luz do sol, para que a tonalidade do revestimento não se modifique, tornando-se amarelada. Além disso as chapas podem sofrer deformação por efeito da "perda de umidade".

Corte em placas


Placas cruas

A máquina deve estar corretamente nivelada e fixada ao piso. Caso contrário, as vibrações do motor se transmitirão ao disco, prejudicando o trabalho de corte.
A folha de serra deve ter uma espessura mínima de 3 mm para evitar vibrações.
É de vital importância manter a guia paralelamente ao plano de serra. Qualquer desvio será transmitido ao corte.
Deve-se observar o paralelismo do eixo da serra com o eixo da mesa, para evitar o lascamento em apenas um lado da face (direito ou esquerdo).
No corte manual, com serra de fita ou "tico-tico", usar serras de dentes bem finos ou com uma trava bem reduzida.

Placas revestidas
Além de considerar os mesmos cuidados observados em cortes de placas cruas, as placas revestidas deverá ser cortada com serras que tenham riscador. Dessa forma será possível obter um corte perfeito em ambas as faces das placas.
A qualidade do corte nas bordas depende da altura da serra em relação à placa.
Recomenda-se altura de 10 a 15 mm ou no mínimo altura da pastilha para garantir um bom acabamento do corte.
OBS: as duas serras devem ser afiadas em conjunto para que suas espessuras sejam idênticas.

Limpeza das chapas(móveis prontos)
Para limpar a superfície do móvel confeccionado com MDF ou MDP, recomenda-se o uso de uma flanela limpa e seca. Se necessário, um pano umedecido com água ou detergente neutro.

Para remoção de manhas, utilize um pano umedecido com uma solução de álcool e água (partes iguais).

Nunca use produtos abrasivos, como saponáceos e esponja de aço.

O uso de solventes/diluentes especiais, do tipo "aguarraz", é indicado somente logo após a aplicação do adesivo/cola para colagem de fita de borda, enquanto esta ainda estiver fresca. Nos casos em que os resíduos de cola já estiverem secos, deve-se tomar cuidado para não danificar o revestimento melamínico pelo uso de solvente.

Após o uso destes solventes/diluentes especiais, deve-se limpar bem o local com a ajuda de uma flanela umedecida com água ou detergente neutro, para completa remoção dos resíduos.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial









Upcoming Events

xx/xx/xx:  Special Sale on all products from noon until 3:00 pm!

xx/xx/xx:  Mayor Bob will be on hand for the ribbon cutting ceremony marking the opening of our newest location!

xx/xx/xx:  More stuff!